top of page
  • Associação Cemitério dos Protestantes - Acempro

Cemitério do Redentor - Alameda dos Resedás



Lagerstroemia indica (L.) Pers., popularmente conhecido como extremosa, escumilha,[1] resedá ou árvore-de-júpiter, é uma planta da família Lythraceae, nativa da República Popular da China e Índia. A espécie foi introduzida nos Estados Unidos em 1790 pelo botânico André Michaux e é cultivada hoje em dia como árvore ornamental.


No Brasil é utilizada amplamente em arborização urbana. Por se tratar de um arbusto conduzido facilmente reproduzido através de estaqueamento, foi tida como panaceia para o plantio em ruas com fiação elétrica. Como resultado, em algumas cidades esta espécie sozinha representa mais de 20 por cento das árvores em via pública. Assim, apresenta diversas desvantagens, como:


grande quantidade de brotações emitidas em resposta a danos pequenos, como os causados por choques em roçada, formando "moitas";


grande suscetibilidade à infestação por ervas-de-passarinho (Loranthaceae) (se cultivada próxima a outras árvores de grande porte suscetíveis, pode atuar como fonte de infestação, aumentando os riscos de acumulo de ervas em galhos grandes e consequentemente facilitando sua queda);


massa foliar reduzida, especialmente quando encontrada com epífitas;

infestação por oídio e facilidade da disseminação do patógeno devido à alta frequência populacional da planta hospedeira;


necessidade de sucessivas podas drásticas para manutenção do equilíbrio devido à natureza das raízes;


baixa eficiência como equipamento urbano, pois devido à massa foliar reduzida fica restrita à função ornamental.


Por tratar-se de uma planta exótica que, além de ocorrer em quantidades excessivas (monocultura viária em conjunto com o alfeneiro), também não serve de recurso à fauna (possui flores que a abelha nativa jataí sempre está presente), seu plantio tem sido desencorajado em planos diretores desenvolvidos para diversas cidades brasileiras.


Fonte: Wikipedia Referências: FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.747


15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page